Conhece -te a Ti mesmo !



WELCOMES

Seguidores

Seja Bem Vindo!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

A Lenda da Matrioska




Era uma vez em virtuoso carpinteiro russo chamado Serguei, que ganhava a vida talhando belos objetos de madeira: instrumentos musicais, brinquedos… Todas as semanas, ele enfrentava o frio do bosque para buscar madeira e assim construir novos objetos. Uma certa manhã ao sair para recolher a madeira, ele encontrou o campo todo coberto de uma grossa capa de neve. À noite havia sido difícil. Ele rezou. Toda a madeira que ele encontrava no caminho estava úmida e só lhe servia para fazer fogo.

Abatido pelo cansaço, ele decidiu retornar à sua casa e tentar a sorte no dia seguinte. Quando ele estava dando meia volta, lhe chamou a atenção um tronco de madeira esplêndido, o mais belo que ele havia visto em sua vida. Rápido como um raio ele retornou ao seu estúdio, porém vários dias se passaram até ele decidir o que talhar. Finalmente, decidiu fazer uma preciosa boneca.



 Era tão bonita, que decidiu não vendê-la para lhe fazer companhia. “Você se chamara Matrioska” disse ele à inerte figura. Cada manhã, ao levantar-se ele falava com sua companheira. “Bom dia, Matrioska” . Um dia, ela lhe respondeu: “Bom dia Serguei”. O carpinteiro se surpreendeu, porém ao invés de sentir medo ele se sentiu feliz por ter alguém com quem conversar.

Com o tempo, o carpinteiro percebeu que Matrioska estava triste e lhe perguntou o que estava acontecendo. Ela lhe respondeu que via que todo mundo tinha um filho ou filha e ela desejava ter um. “Terei que te abrir e isso será doloroso” – respondeu Serguei.  E ela disse: “Na vida, as coisas importantes requerem um pequeno sacrifício”. E sem pensar  duas vezes ele talhou uma réplica, menor e lhe chamou de Trioska. Ela já não se sentia mais sozinha.


 

O instinto maternal se apoderou também de Trioska e Serguei concordou que está também teria um filho, se chamaria Oska. Mas Oska também queria um decendente. O carpinteiro contou que dessa vez a madeira poderia originar uma boneca má. Oska não desistiu. Após pensar, ele talhou um boneco, bem pequeno e com bigode e lhe batizou de Ka. E o colocou em frente ao espelho e disse: “Você é um homem, não pode ter filhos!”

Então colocou Ka dentro de Oska. A Oska dentro da Trioska e a Trioska dentro da Matrioska. Um dia, misteriosamente, Matrioska desapareceu com toda sua família dentro. Serguei ficou desolado.

Fonte:ghaiaesoterico.wordpress.com

A Boa Vontade




O Sol é a força que nutre a vida na Terra.
 
A boa vontade é a luz que alimenta a harmonia entre as criaturas.
Acendamo-la no coração para caminhar com segurança e valor.
No lar, é chama atraente e doce.
 
Em sociedade, é fonte de concórdia e alegria.
Onde falha o dinheiro e onde o poder humano é insignificante, realiza milagres.
Ao alcance de todos, não a desprezemos.

Em todos os lugares, há chagas que pedem bálsamo, complicações que rogam silêncio, desventuras que esperam socorro e obstáculos que imploram concurso amigo.

Muitos aguardam lances públicos de notabilidade e inteligência, no cultivo da caridade, acabando vencidos pelo tempo, entre a insatisfação e o desencanto.

Sejamos nós soldados diligentes no exército do bem, anônimos e humildes, atravessando os dias no culto fiel à fraternidade.

O ódio e a ignorância guerreiam com ímpeto, conquistando no mundo o salário da miséria e da morte.
 
 
 
 
O amor e o serviço lutam sem alarde, construindo o progresso e enaltecendo a vida.

Com a boa vontade, aprendemos a encontrar o irmão que chora, o companheiro em dificuldade, o doente infeliz, a criança desamparada, o animal ferido, a árvore sem proteção e a terra seca, prestando-lhes cooperação desinteressada, e é por ela que podemos exercitar o dom de servir, através das pequeninas obrigações de cada dia, estendendo mãos fraternas, silenciando a acusação descabida, sofreando a agressividade e calando a palavra imprudente.

Situemo-la no princípio de todas as nossas atividades, a fim de que nossas iniciativas e anseios, conversações e entendimentos não se desviem da luz.

Lembremo-nos de que a paz e a boa vontade devem brilhar em nossos triunfos maiores ou menores com o nosso Divino Mestre.

É por isso que o Evangelho no berço de Jesus começa com a exaltação inesquecível das milícias celestiais:

-- "Glória a Deus nas alturas, paz na Terra e boa vontade para com os homens."


Meimei (Espírito) & Francisco C. Xavier
Instruções Psicofônicas, Diversos Espíritos.
 

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

A Ilha de Malta



O complexo Templo subterrâneo de Tarxien,na ilha de Malta,é um dos maiores monumentos antigos da Europa.Quem o construiu e porque o fez?Qual a sua ligação com outros Santuários da ilha?Fará parte de uma cultura megalítica Europeia?

Em 1902 novas construções eram levadas a cbo em Paola,um subúrbio da capital da ilha de Malta,Valeta.Os operários que partiam a rocha para construírem reservatórios de água descobriram,de repente,a parte superior de uma grande câmara subterrânea.


Descendo ás entranhas da Terra,encontraram imensas cavernas interligadas que cotinham inúmeras ossadas humanas.Temendo possíveis atrasos os empreiteiros decidiram silenciar o achado até acabarem as construções e quando o achado veio a lume os estragos eram já imensos.

Em 1905 e 1911 o pai da arqueologia maltesa,Sir Themistocles Zammit,explorou o lugar de Paola e revelou ao Mundo a existência do Hipogeu(do grego,câmara subterrânea”)de Hal Saflieni,que consiste numa série de mais de 20 cavernas,umas naturais outras feitas pelo homem e interligadas.


Uma sequência principal,de grandes câmaras dispostas no sentido Norte-Sul,desembocava no extremo Sul,num Santuário onde uma fachada de m Templo escavado na rocha dava acesso a um Santuário interior.




Para um dos lados desta sequência de câmaras ficava o Oráculo.Uma estatueta da chamada Snhore Adormecida foi encontrada no Hipogeu,numa gruta votiva na qual eram lançadas ofertas em acção de graças tanto pelas consultas do Oráculo,como pela cura de qualquer doença.

A Senhora Adormecida,segundo alguns,é exemplo da prática da incubação;o acto de adormecer num Santuário na expectativa de sonhos proféticos ou de sonhos portadores da cura.

Muitas câmaras pequenas laterais dão entrada a inúmeras grutas e foi nelas que se encontrou a maior parte das ossadas.Embora possa ter servido para outros fins,o Hipogeu foi realmente um túmulo colectivo.Pertenceu em princípio á mesma tradição das câmaras funerárias da Sardanha,Itália,Sudeste de Espanha e Portugal.


Á semelhança das colinas-sepulturas megalitícas encontradas também em Portugal e Espanha,estas câmaras mortuárias do do Mediterrâneo Ocidental foram utilizadas na primeira metade do terceiro milénio a.C.,devendo portanto,ter sido construídas um tempo antes.


 
Mas o Hipoegeu de Malta difere daquilo que normalmente se denomina “construção megalitíca”,na qual as superfícies dos grandes blocos de pedra são sempre ásperas,nesta pelo contrário,as paredes eram cuidadosamente polidas.Quem fez isto e como?

Em Tarxien os habitantes adoravam uma Divindade representada por “Mulher Gorda”.Sacrificavam-lhe animais e possivelmente consultavam um Oráculo.Muitos estudiosos consideramesta Divindade como a personificação da Terra-Mãe,um culto antigo Mediterrânico.


Os Templos Malteses floresceram durante 800 anos,mas foram abandonados e os seus frequentadores desapareceram.A seca as pragas,a fome e as invasões contam-se entre as causas possíveis deste acontecimento.


Seja o que for que fez eclipsar esta civilização,quando os povos da Idade do Bronze chegaram a esta ilha,no terceiro milénio a.C.,encontraram-na vazia.



terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Oração de Natal





Senhor, nesta Noite Santa,
depositamos diante de Tua manjedoura
todos os sonhos, todas as lágrimas e
esperanças contidos em nossos corações.

Pedimos por aqueles que choram
sem ter quem lhes enxugue uma lágrima.
Por aqueles que gemem
sem ter quem escute seu clamor.

Suplicamos por aqueles que Te buscam
sem saber ao certo onde Te encontrar.

Para tantos que gritam paz,
quando nada mais podem gritar.

Abençoa, Jesus-Menino,
cada pessoa do planeta Terra,
colocando em seu coração um pouco
da luz eterna que vieste acender
na noite escura de nossa fé.

Fica conosco, Senhor!

 Assim seja!
 (autor desconhecido)

domingo, 22 de dezembro de 2013

Amparo oculto




Não lamentes, alma boa,
Contratempo que aconteça,
Que a luta não te esmoreça,
Nada existe sem valor;
Aquilo que te parece
Um desencanto de vulto
É sempre socorro oculto
Que desponta em teu favor.

Uma viagem frustrada,
Uma festa que se adia,
Uma palavra sombria
Que encerra uma diversão;
O desajuste num carro,
Um desgosto pequenino,
Alteram qualquer destino
Em forma de salvação.

Não chores por bagatelas,
Guarda a fé por agasalho,
Deus te defende o trabalho,
Atuando em derredor;
Contrariedades no tempo,
Quase sempre, em maioria,
É amparo que o Céu te envia
Por bênção do mal menor.






pelo Espírito Maria Dolores - Do livro: Somente Amor, Médium: Francisco Cândido Xavier.

Centro Espírita Caminhos de Luz-Pedreira-SP-Brasil
Acesse o nosso site: www.caminhosluz.com.br

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Ano Novo e Feng Shui




Para a filosofia do Feng Shui o novo ano ainda não começou. No calendário chinês, estamos no ano 4710. Mas a milenar cultura se traduz para o ocidente e o período de regência do Feng Shui para o ano de 2012, vai de 04 de fevereiro de 2012 até 04 de fevereiro de 2013. Isso significa que é neste período que as energias fecharão o cliclo e iniciaram um novo, mudando suas tendências e forças. 

A influência do ano está sob o signo do Dragão. Há uma citação chinesa que explica esta força - "As águas provenientes dos oceanos ou dos rios que são alegres e movimentadas vão ao encontro com uma terra úmida". É a síntese de um ano movimentado, agitado, de percorrer o caminho, o curso. 

A ideia de que haverá muito movimento, mas pouco rendimento. É indicado para auxiliar o equilíbrio destas forças, a aplicação de um sino dos ventos metálico no ponto Norte (N) das casas. 

Há ainda outras possibilidades para limpar a casa do ano de 2013 e prepará-la para 2014. Aliando as previsões e indicações chinesas ao nosso jeito ocidental de começar um ano, podemos mudar o foco e dar realmente novos ares a este novo ciclo. 







1. Papéis: contas, extratos, notas fiscais, recibos, documentos. Depois de um ano uma boa limpeza é comumente feita nesses papéis. Fisicamente isso significa limpeza e organização. Pensando no Chi, é a possibilidade de renovação. Nem tudo deve ou precisa ser guardado e amontoado em caixas, pastas e gavetas. Especialistas indicam - notas fiscais e recibos devem ser guardados por dois anos observando-se o tempo de garantia do produto. Em caso de bens que você possa precisar comprovar a propriedade em caso de mudança ou viagem, guarde indeterminadamente.
 Os extratos bancários também devem ser guardados por dois anos. Já recibos e contas pagas de serviços (água, energia, telefonia, internet, etc), boletos bancários e faturas de cartões de crédito, devem ser guardadas por cinco anos. No entanto, a lei obriga as empresas a fornecerem uma declaração de quitação anual dos débitos e aí você pode substituir 12 papéis por apenas 1. Algumas empresas automaticamente enviam a declaração, outras esperam a solicitação do cliente;

2. Roupas e pertences pessoais: calma, por mais que seja delicioso renovar o armário, o começo do ano não é uma boa época para gastos. No entanto é preciso abrir espaço para o novo, guardar os presentes e remexer tudo. O processo de arrumar algo físico, mas tão pessoal, faz com que nossa mente entre na mesma sintonia. Junto com aquela blusa que você nunca usou, vão embora mágoas e sentimentos que já não servem mais. 


3. Decoração:  Além da dica do sino dos ventos, é hora de dar uma cara nova a casa. Não é necessário sair comprando móveis ou objetos. Mas mude algo que seja significativo e ilumine a casa. Se não pode comprar nada novo, troque o lençol e comece o ano com aquele que você mais gosta. Mude um móvel de lugar, ou o jeito de guardar as coisas na estante. Uma planta, uma flor, para aquele canto perdido que tanto te incomoda. 

4. Feng Shui: Esta é uma dica para quem já fez a aplicação da técnica. Com o passar do tempo, parece que a força inicial que sentimos após a aplicação, vai se perdendo. É hora de olhar para a casa como se fosse um estranho. Vá em cada ambiente com o mapa na mão e sinta-o, analise-o e anote as mudanças que acha necessário. Assim, você estará movimentando o Chi e reativando as áreas. 

Mudar de ano é só o fechamento de um ciclo para o início de outro. Nada melhor do que usar conscientemente tudo que sabemos para que o novo ciclo nos traga o que buscamos. Seja isso, o que for. 

O Shintoísmo



Surgido na aurora da história japonesa, o xintoísmo é uma religião arcaica que venera os kami, divindades da natureza, dos antepassados e de níveis superiores de existência. A pesar de não ter um fundador, nem escrituras nem dogma fixo, o xintoísmo tem impregnado a vida dos japoneses influindo em sua visão da existência, nos valores, ritos, estética e comportamento.

 O xintoísmo não tem um fundador, nem textos sagrados que ditem seu dogma ou código moral. A sua origem está perdida no passado remoto dos aborígenes das ilhas japonesas, e a sua compreensão é difícil para o ocidental porque tem uma mistura de elementos religiosos e outros de diversa índole.
Xintó significa "Via dos Kami".


 A característica mais distintiva da religião é o convencimento de que os deuses (kami), o homem e a totalidade da natureza têm a mesma origem divina, portanto pertencem à mesma família. Este convencimento tem moldado a experiência e a visão do cosmo japonesa, que se distingue por sentir respeito e afinidade para com tudo o que existe, ter uma consciência de continuidade ininterrupta, um alto sentido do dever além de segurança e confiança, qualidades que posteriormente foram acentuadas pela influência budista e confucionista. 

Atualmente constitui o segundo credo com maior número de fieis do Japão (com cerca de 67 milhões) depois do budismo japonês. Como o xintoísmo não pretende converter, criticar nem entrar em conflito com outras religiões, a sua expansão fora das ilhas do Japão ficou limitada em geral às comunidades nipônicas da emigração.





 


Uma religião particular

O xintoísmo é a expressão, decantada através dos séculos, de uma religiosidade natural, com as lógicas evoluções e acréscimos em sua formulação, ritos, etc. 


Teve um papel importante não somente no referente às atividades religiosas, e sim também em quanto à postura diante dos problemas da vida, tanto de tipo privado como público. Ao surgir junto ao Japão tem tingido todos os aspectos da experiência do país, condicionando suas respostas ante a existência, a morte, a vida comunitária, a organização social, a ideologia política, as festividades e a estética.


 É uma forma de praticar valores e atitudes para os ritos, os antepassados e para a natureza, que eles consideram sagrados. 

  



BREVE HISTORIA DO XINTOÍSMO

O xintoísmo é considerado uma religião primitiva, própria das culturas da mais remota antigüidade, com a peculiaridade de que tem permanecido, incluso com caráter oficial e legal, num povo moderno como o japonês. As suas origens remontam à Idade Antiga, quando ainda era um culto aos fenômenos naturais -às tormentas, às montanhas, ao Sol, à Lua ou aos rios-, que os japoneses identificavam com umas deidades chamadas kami. 


No princípio, o xintoísmo não tinha nome. Quando o confucionismo e sobre tudo o budismo (chamado buppó, «lei de Buda», ou butsudó, «a via de Buda») se introduziram no século VI e começaram a difundir-se no Japão, se chamou de xintó a  religiosidade tradicional, para diferenciá-la de aquelas. Literalmente significa «caminho (tó) dos deuses (shin)». Os japoneses elegeram um nome chinês para sua religião porque naquele tempo (faz mais de um milênio), era a única língua que tinha escritura no Japão, que não tinha ainda desenvolvido a escritura em seu próprio idioma. A frase que significa xinto em japonês é Kami no michi.


A primeira vez que aparece a palavra xintó para designar a religião original dos japoneses é no Nihongi ou Nihonshoki (anais japoneses terminados no ano 720 d.C.). Por exemplo, na crônica do imperador Yó-mei (519-687) não estava designada com um nome especial. 


Desde finais de século XIX até a Segunda Guerra Mundial, o xintoísmo foi considerado a religião nacional do Japão, e o imperador como um kami. Esta tendência começou no princípio do século XVIII, quando o xintoísmo se converteu no eixo de um movimento nacionalista, o Movimento da Aprendizagem Nacional, que pretendia definir as características distintivas da cultura japonesa frente às da China e do Ocidente através das virtudes xintoístas da simplicidade e da pureza de espírito. 


Assim, foi utilizado como ideologia legitimadora da fase militar da história japonesa recente e designada religião do Estado até 1945. Durante a ocupação de pós-guerra foi despojado de seus conteúdos políticos, e a partir de então os templos têm recuperado seu papel como centros de festividades comunitárias e ritos familiares.

  


O SHINTOÍSMO HOJE

Como vimos antes, o xintoísmo é mais uma atitude sagrada do que uma religião, e as diversidades de pensamento e as múltiples variações do ritual confirmam este caráter. Hoje em dia, se apresenta debaixo de quatro aspectos:

• O Jinja-xinto é o xintoísmo de todos os japoneses, aquele dos templos e do culto aos kami;
• O Kóshitu-xinto é o xintoísmo celebrado na casa do imperador;
• O Kyóha-xinto é o xintoísmo de movimentos religiosos criados por certos indivíduos depois de uma experiência pessoal, social ou mística; às vezes,  nestas seitas xintoístas há sinais de confucionismo e de budismo;
• E por fim o Minkan-xinto ou xintoísmo. do povo, que não tem organização nem estrutura dogmática, admitido pelo Jinja-xinto, porém não muito apreciado pelo xinto oficial.

Atualmente a constituição japonesa garante a liberdade religiosa, que é estritamente cumprida. De fato, qualquer forma de ensinamento religioso está proibida nos colégios públicos dado que Japão se considera um estado laico. 


Porém, a relação dos japoneses com os templos xintoístas é muito estreita. Cada templo organiza diversos eventos ao longo do ano com comida, bebida etc. para manter este vínculo. As famílias acostumam ir ao templo no começo do ano para pedir por um bom ano, e a nível individual é comum visitar templos para pedir desejos como passar um exame, saúde, amor, etc. 


Leia mais na Fonte: h2hlatino.org

O Ano Novo nas Grandes Religiões



Em algumas religiões a passagem de ano é celebrada em outros meses e a contagem dos anos está muito além do calendário gregoriano, usado pelos católicos...

 


Embora a maioria das pessoas comemore a virada do ano entre os dias 31 de dezembro e 1º de janeiro, há religiões que celebram a passagem em outros meses e a contagem dos anos está muito além do calendário gregoriano, usado pelos católicos.

Os budistas, por exemplo, calculam que estamos no ano  2600. Para eles, o dia mais importante do ano é o Vesak, que representa o nascimento, iluminação e morte do Buda. De acordo com algumas tradições, o Vesak oferece aos budistas uma oportunidade para refletir sobre a vida e os ensinamentos do Buda. 

Segundo o presidente e fundador do Instituto Mahayana, em Icaraí, Wilson Moura, de 56 anos, a filosofia budista acredita que a passagem de Buda na Terra simboliza a contagem dos anos.

“O Vesak é comemorado de diferentes formas nas quatro tradições do budismo. Geralmente ocorre no mês de abril e acreditamos que estamos no ano 2600 depois de Buda”, explica ele.




Já para os judeus, o ano atual é de 5772. A virada é celebrada no Rosh Hashaná, que é um dos feriados mais importantes para cultura judaica e vem acompanhado do Yom Kipur, comemorado 10 dias depois.

O professor aposentado Alberto Hasson, de 72 anos, é um conhecedor da cultura do judaísmo e diz que o período é de reflexão, sem festejos, mas sem tristeza.

“A cabeça do ano é o Rosh Hashaná, quando as pessoas fazem análise da vivência durante todo o ano, prometendo se aperfeiçoar. O dia vem seguido pelos 10 dias temíveis, que se conclui com o Yom Kipur, quando é feito um jejum de 25 horas. Nas rezas deste período se pede pelo arrependimento. As refeições devem ser feitas em família e na mesa é bom se ter um doce de maçã com mel e um pão trançado com forma de círculo”, disse Hasson.



Este ano a comemoração do Rosh Hashaná começou ao entardecer do dia 28 de setembro e seguiu pelo dia 29 (os judeus iniciam o dia no pôr-do-sol) e o jejum de 25 horas foi realizado entre os dias 7 e 8 de outubro.

Já o islã utiliza o calendário islâmico, que é baseado no sistema lunar e possui 354 dias, 11 dias a menos que o calendário gregoriano. A data do novo ano varia a cada ano e em 2011 no calendário ocidental, foi comemorado o ano de 1432 no calendário islã. Segundo o analista de sistema, Gustavo Murad, de 35 anos que mora em Niterói, e é muçulmano, a passagem do ano novo não é comemorada.

“Comemoração de passagem de ano não fazem parte dos nossos ensinamentos religiosos, por ser uma data como outra qualquer. Além do alcorão seguimos os ensinamentos do Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele), e nenhum deles relatam comemorações de virada de ano”, explica ele.

Fonte: Fonte: http://jornal.ofluminense.com.br/http://www.icarai.soumaisniteroi.com.br

Prece de Cáritas - por ANA ROSA

Feng Shui meditation relaxation music one hour

MÚSICA DE RELAX Y MEDITACION, ZEN, TAI CHI, FENG SHUI , ZEN RELAXATION M...

sábado, 14 de dezembro de 2013

O Vairochana




O nome Vairochana significa "Aquele que é Como o Sol" ou "O Radiante". Vairochana representa tanto a integração como a origem dos Budas Dhyani. Sua sabedoria é a Sabedoria do Dharmadhatu. 

O Dharmadhatu é o Reino da Verdade, onde todas as coisas existem como realmente são. A sabedoria de Vairochana é também referida como a Sabedoria Todo-Penetrante do Dharmakaya. O Dharmakaya é o Corpo da Lei, ou a natureza búdica absoluta. 




A sabedoria transcendente de Vairochana revela o reino da mais elevada realidade e domina o veneno da ignorância ou da desilusão. Sua sabedoria é considerada a origem ou o total de todas as sabedorias dos Budas Dhyani.

Vairochana é, usualmente, localizado no centro da mandala dos Budas Dhyani. De acordo com alguns textos, ele se posiciona a Leste. Sua cor é branca (ou azul), simbolizando a consciência pura. Ele governa sobre o elemento éter e incorpora o skandha da consciência. Em alguns sistemas, é associado com o skandha da forma.




Seu símbolo é dharmachakra, a Roda do Ensinamento ou a Roda da Lei. Denota o ensinamento do Buda. Seus oito raios representam as Oito Nobres Sendas que Gautama revelou em seu primeiro sermão, após a iluminação.

 Esse símbolo é impresso em toda a margem da litografia. O trono de lótus de Vairochana é sustentado por um leão, símbolo da coragem, ousadia e um espírito zeloso, impetuoso e avançado.

O mudra de Vairochana é o mudra do dharmachakra, o gesto de girar a Roda do Ensinamento. Por ele personificar a sabedoria de todos os Budas, o bija de Vairochana é o som universal Om. Seu mantra é: Om Vairochana Om.

Os Agroglifos



Pela sua nomenclatura de dificiu dicção as palavras são poucos usadas, popularmentes são conhecidas como desenhos nas plantações.

 È isto mesmo Agroglifos ou Crop Circles são a denominação científica para esses "desenho" (alguns dizem mensagem), que são característicos das plantações de cereais do reino unido.




  • Mas todos desenho que aparece pode ser considerado um Crop circles?
    Não pois os verdadeiros crop circles contém características especificas, e muitos mistérios, que são estudadas por varios cientistas de  todo o mundo.

    Abaixo vou listar algumas de suas maiores caracteristicas :
  • São desenhos geométricos de gigantes proporções.
  • No seu interior há grande presença de radiação não explicada.
  • No interior dos círculos bússolas é relógios não funcionam.
  • As plantas que foram "afetadas" pelos os circuclos tem alteração celular.
Não há nem um indicio de pneus e pegadas humanas.

 



Essas são apenas alguns fatores que os distingue de um circulo forjada seja proposital ou não.

 Os Agroglifos e cercados de muitos misterios e respostas inesplicaveis como quem são esses seres que fazem estas desenhos? Como fazem? È por que fazem?.

Nós que não nos deixamos vendar as mentes sabemos que isso podem ser recados preciosos para nossa sobrevivência, a raça que nos deixa esses avisos usam pequenas sondas que constroem verdadeiras obras primas que só podem ser vistas do alto (usando transporte aereo).

  Já são mais de 15 países que apresentam estes tipo de códigos geométricos em suas plantações dentre eles o Brasil (em Santa Catarina como conta a Revista ufo).


Fonte: http://misteriosdahumanidadentrem.blogspot.com.br

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Cassiopéia




Na mitologia grega, Cassiopéia, também chamada de Cassiepeia, de Cassíope, e de "filha única do mar".

Sua beleza era surpreendente, e em uma tarde, quando foi avistada na costa de Aethiopia, pelo rei Cepheus de Jaffa, Palestina (conhecida como Etiópia), ele imediatamente se apaixonou por ela. 

Cepheus então se casou com Cassiopéia, e lhe deu uma filha chamada Andrômeda .

Segundo a lenda, Cassiopéia era uma rainha muito arrogante e vaidosa, e em seu reino era muito conhecida e admirada por sua extrema beleza.

Certo dia, Cassiopéia, tão orgulhosa de sua imensa beleza, atreveu-se a comparar-se com a tão admirada beleza das ninfas marinhas, conhecidas como Nereidas. 
 
 
 

As Nereidas ofendidas com tamanha audácia, foram se queixar com Posêidon, o senhor dos mares. 

Enfurecido, Posêidon agitou seu tridente no mar e ocasionou uma imensa inundação no litoral pertencente à Etiópia, e em seguida evocou Cetus, um monstro marinho que vivia nas profundezas das águas locais, e ordenou que ele fosse devastar o litoral da Etiópia, devorando todo o rebanho e todo o povo que ali estavam.

O rei Cepheus, desesperado com o que estava acontecendo em seu reino, procurou o oráculo de Ammon para se aconselhar. 

O oráculo respondeu que se o rei quisesse salvar seu reino, deveria sacrificar sua filha Andrômeda, entregando-a ao monstro. 

O rei muito angustiado com o impasse entre proteger seu reino dos ataques do terrível monstro ou proteger sua amada filha, resolver entregá-la como oferenda ao monstro e acorrentou-a a uma pedra a beira mar. 

 
 
 
Mas, Perseus que passava por lá no mesmo momento, imediatamente salvou Andrômeda do monstro. O rei muito satisfeito com a atitude de Perseus ofereceu como recompensa a mão de sua filha Andrômeda.

Entretanto Posêidon, o senhor dos mares, ainda enfurecido com a rainha Cassiopéia, condenou-a a ficar eternamente sentada em uma cadeira no céu.

E até os dias de hoje a rainha Cassiopéia pode ser avistada, sentada em sua cadeira, na constelação de Cassiopéia, circundando o polo norte por toda a eternidade.

Segundo outras lendas, Cassiopéia, também conhecida como Mênfis, era esposa de Épafo.
 

O Zohar



O Sefer ha-Zohar - o Livro do Esplendor - É, sem sombra de dúvida, a obra principal e mais sagrada da Cabalá, a dimensão mística do judaísmo. Fonte inesgotável de sabedoria e conhecimento, seus ensinamentos e revelações se equiparam, em importância, aos da Torá e do Talmud. 

De autoria do grande Rabi Shimon bar Yochai, permanece inacessível até os dias de hoje para a grande maioria dos que tentam transpor o mistério que encerra. Quem sabe se por esta razão, ou apesar desta, nenhuma outra obra mística jamais despertou tanta curiosidade e exerceu tão grande influência? 

O Zohar é a coluna vertebral da Cabalá, também chamada de Chochmat ha-Emet - a Sabedoria da Verdade. Na língua hebraica, Cabalá significa "recebimento" ou "o que foi recebido". Por ser parte integral da Torá, tem origem e natureza Divina. Apesar de seus ensinamentos terem sido transmitidos a Adão e aos patriarcas do povo judeu, foi Moisés quem os recebeu diretamente de D'us durante a Revelação no Monte Sinai e os instituiu formalmente como parte da história do povo de Israel. Desde então, esta sabedoria mística vem sendo repassada de geração em geração para uns poucos escolhidos entre os líderes espirituais do povo judeu. 

Chamados de nistarim (literalmente "os ocultos"), os primeiros cabalistas preservaram zelosamente esses ensinamentos, transmitindo-os oralmente às gerações seguintes. Somente no século II da era comum, surgiria no seio de Israel um homem que possuía os dons espirituais e intelectuais que lhe permitiram dar forma a essa sabedoria milenar. Seu nome era Rabi Shimon bar Yochai, uma das personalidades mais reverenciadas na história judaica. A ele coube o zechut, o honroso mérito de revelar a Luz Divina em todo a sua majestade e esplendor. 





Grande líder e um dos maiores sábios talmúdicos, Rabi Shimon viveu em uma época muito conturbada. Durante sua geração, Israel penava sob o jugo romano, tendo que se sujeitar à proibição do estudo da Torá, esta apenas uma entre as inúmeras imposições de Roma. A gravidade da situação levou os mestres da Lei a adotarem medidas excepcionais.


 Preocupados que a perseguição e a dispersão dos judeus pudessem resultar na perda parcial dos ensinamentos da Torá Oral, os sábios deram seu consentimento para que os fundamentos de seu conteúdo fossem transcritos. Portanto, o Talmud, seus comentários, o Midrash e os ensinamentos cabalísticos começaram a ser compilados e escritos. E foi Rabi Shimon bar Yochai quem estruturou a tradição mística através do Zohar. 

No entanto, havia um grande problema na transcrição dos segredos da Cabalá. Os sábios temiam que pessoas sem preparo espiritual tivessem acesso aos segredos da Criação e do Universo. Para evitar que isso acontecesse, O Livro do Esplendor foi escrito de forma praticamente indecifrável para os não iniciados. E a primeira condição para se fazer parte desse grupo pequeno e seleto era possuir um vasto e profundo conhecimento sobre a Torá e sobre a tradição cabalística. 




Livro fechado 

O Sefer ha'Zohar é um livro fechado e as chaves para sua compreensão permanecem em mãos de um número reduzido de sábios. Esta obra pode ser comparada a um sistema codificado, de extrema complexidade, que esconde tesouros inestimáveis. Rabi Shimon era um daqueles seres pertencentes a um plano espiritual tão elevado que, entre os que estudam a sua obra, são poucos os que conseguem assimilar parte de seus ensinamentos. Não obstante, mesmo com apenas um pouco desse conhecimento, constroem-se montanhas de sabedoria. 

Como vimos, para os não iniciados, o Zohar é misterioso e praticamente impenetrável. As dificuldades de compreensão estão presentes em quase todos os níveis da obra. Além da insondável profundidade de seus preceitos, seu estilo literário peculiar e sua dialética dificultam a compreensão.

 Seus textos, escritos em hebraico ou em aramaico antigo, estão "codificados", impossibilitando, assim, que pessoas leigas entendam seu significado. Imagens simbólicas são usadas no lugar de uma terminologia racional e tópicos independentes são tratados em conjunto, colocando lado a lado assuntos aparentemente sem relação entre si. 

Muitas das passagens do Zohar são compostas por combinações de alusões fragmentadas, que somente podem ser conectadas por associações secretas. Mas, na realidade, as conexões existem e são bastante claras para aqueles que entendem seu simbolismo e significado. 

Um sábio familiarizado com os segredos místicos da Torá entende perfeitamente seu conteúdo, seu estilo e sua estrutura aparentemente ilógica. Se para os não iniciados muitos de seus ensinamentos carecem de significado, estes mesmos preceitos são, para os que podem decifrá-los, a chave para desvendar os maiores e mais profundos segredos da existência e do universo. 




 Apesar de terem sido traduzidos para o hebraico moderno e para outros idiomas, os verdadeiros ensinamentos do Sefer ha-Zohar continuam sendo praticamente incompreensíveis. Mesmo para a maioria dos eruditos na Torá, o Livro do Esplendor continua sendo um enigma. 

O Talmud e outras obras da lei judaica são acessíveis e compreensíveis; não apenas é permitido o seu estudo, como também é incentivado e é uma obrigação colocar-se em prática os seus ensinamentos. Já o Zohar continua além do alcance intelectual e espiritual da maioria dos judeus - pelo menos por enquanto. Grandes cabalistas sempre alertaram que o privilégio de estudar e entender esta obra era reservado para muito poucos. 

O cuidado e o resguardo em relação ao Zohar sempre foram impostos com o propósito de preservar não só a obra, mas também a alma daqueles que se aventurassem a estudá-la. Temia-se que seus ensinamentos e revelações pudessem ser mal interpretados ou usados de forma inadequada. Infelizmente, esses temores se confirmaram no decorrer da história. 

Houve vários casos de indivíduos e até mesmo de grupos que, após mergulharem nas águas do misticismo judaico sem o preparo adequado, acabaram por se perder. Ainda mais grave: seus ensinamentos místicos foram utilizados por falsos messias e distorcidos por místicos não-judeus e por adeptos da ciência do ocultismo.

 Os resultados foram catastróficos. Por isso, cabe alertar o leitor que o estudo do Zohar e da Cabalá somente deve ser conduzido na companhia de um professor que, além de instruído, tenha atingido um equilíbrio espiritual e mental; que entenda e siga a Lei Judaica em todos os seus minuciosos pormenores. 

domingo, 8 de dezembro de 2013

No Campo Espírita




Amigos, Jesus nos ampare.

Em verdade, partilhamos no Espiritismo os júbilos de uma festa.

Assemelhamo-nos a convivas privilegiados num banquete de luz.

Tudo claro.

Tudo sublime.

No entanto, ninguém se iluda.

Não somos trazidos à exaltação da gula.

Fomos chamados a trabalhar.

A Terra de agora é a Terra de há milênios.

E somos, por nossa vez, os mesmos protagonistas do drama evolutivo.

Remanescentes da animalidade e da sombra...

Ossuários na retaguarda, campos de luta no presente...

Meta luminosa por atingir no futuro distante.

Somos almas transitando em roupagens diversas.

Cada criatura renasce no Planeta vinculada às teias do pretérito.

Problemas da vida espiritual são filtrados no berço.

E, por isso, na carne, somos cercados por escuros enigmas do destino.

Obsessões renascentes.

Moléstias congeniais.

Dificuldades e inibições.

Ignorância e miséria.

Em todos os escaninhos da estrada, o serviço a desafiar-nos.




Cristo em nós, reclamando-nos o esforço. A renovação mental rogando a renovação da existência.

O Evangelho insistindo por expressar-se. Mas, quase sempre, esposamos a fantasia.

Cegos, ante a Revelação Divina, suspiramos por facilidades.

E exigimos consolações e vantagens, doações e favores.

Suplicamos intercessões indébitas. Requisitamos bênçãos imerecidas. Nossa Doutrina, porém, é um templo para o coração, uma escola para o cérebro e uma oficina para os braços.

Ninguém se engane.

Não basta predicar.

Não vale fugir aos problemas da elevação.

Muitos possuem demasiada ciência, mas ciência sem bondade.

Outros guardam a bondade consigo, mas bondade sem instrução.

No trabalho, porém, que é de todos, todos devemos permutar os valores do concurso fraterno para que o Espiritismo alcance os seus fins.

Precisamos da coragem de subir para aprender.

Necessitamos da coragem de descer dignamente para ensinar.

Caridade de uns para com os outros.

Compreensão incansável e auxílio mútuo.

Em nossos lares de fé, lamentamos as aflitivas questões que surgem...

As rogativas extravagantes, exibindo mazelas morais.

As frustrações domésticas.

Os desequilíbrios da treva.

Os insucessos da luta material.

As calamidades do sentimento.

As escabrosas petições.

E proclamamos com azedia que semelhantes assuntos não constituem temas espíritas.

Realmente, temas espíritas não são.

Mas são casos para a caridade do Espiritismo e de nós outros que lhe recolhemos a luz.

Problemas que nos solicitam a medicina espiritual preventiva contra a epidemia da obsessão.

Mais vale atender ao doente, antes da crise mortal, que socorrê-lo, em nome do bem, quando o ensejo da cura já passou.

Em razão disso, o trabalho para nós é desafio constante.

Trabalho que não devemos transferir a companheiros da Vida Espiritual, algumas vezes mais necessitados de luz que nós mesmos.

O serviço de amparo moral ao próximo é das nossas mais preciosas oportunidades de comunhão com Jesus, Nosso Mestre e Senhor, porque, comumente, uma boa conversação extingue o incêndio da angústia.

Um simples entendimento pode ajudar muitas vidas.

No reino da compreensão e da amizade, uma prece, uma frase, um pensamento, conseguem fazer muito.

Quem ora, auxilia além do corpo físico.

Ao poder da oração, entra o homem na faixa de amor dos anjos.

Mas, se em nome do Espiritismo relegamos ao mundo espiritual qualquer petição que aparece, somos servidores inconscientes, barateando o patrimônio sagrado, transformando-nos em instrumentos da sombra, quando somente à luz nos cabe reverenciar e servir.

Também fui médium, embriagado nas surpresas do intercâmbio.

Deslumbrado, nem sempre estive desperto para o justo entendimento.

Por esse motivo, ainda sofro o assédio dos problemas que deixei insolúveis nas mãos dos companheiros que me buscavam, solícitos.

Ajudemos a consciência que nos procura, na procura do Cristo.

Só Jesus é bastante amoroso e bastante sábio para solucionar os nossos enigmas.

Formemos, assim, pequenas equipes de boa-vontade em nossos templos de serviço, amparando-nos uns aos outros e esclarecendo-nos mutuamente.

Assim como nos preocupamos no auxílio às crianças e aos velhos, aos famintos e aos nus, não nos esqueçamos do irmão desorientado que a guerra da treva expia.

Doemos, em nome do Espiritismo, a esmola de coração e do cérebro, no socorro à mente enfermiça, porque se é grande a caridade que satisfaz aos requisitos do corpo, em trânsito ligeiro, divina é a caridade que socorre o Espírito, infatigável romeiro da Vida Eterna.




pelo Espírito Pascoal Comanducci - Do livro: Instruções Psicofônicas, Médium: Francisco Cândido Xavier.

Fonte:Centro Espírita Caminhos de Luz-Pedreira-SP-Brasil

Acesse o nosso site: www.caminhosluz.com.br
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...