Conhece -te a Ti mesmo !



WELCOMES

Seguidores

Seja Bem Vindo!

sábado, 26 de novembro de 2011

A Origem das Doenças


Será que, ao nos sintonizarmos com energias e atitudes negativas, não estamos abrindo caminho para ficarmos doentes?Antes de se falar em cura espiritual, é importante definirmos o que é uma doença. Seria ela um mal de fato? No livro Mãos de Luz, a curadora norte-americana Barbara Ann Brennan apresenta um raciocínio muito interessante: "Toda doença é uma mensagem direta dirigida a você, dizendo-lhe que não tem amado quem você é e nem se tratado com carinho, a fim de ser quem você é". De fato, todas as vezes que nosso corpo apresentar alguma "doença", isto deve ser tomado como um sinal de que alguma coisa não está bem.
A doença não é uma causa, é uma conseqüência proveniente das energias negativas que circulam por nossos organismos espiritual e material. O controle das energias é feito através dos pensamentos e dos sentimentos, portanto, possuímos energias que nos causam doenças porque somos indisciplinados mentalmente e emocionalmente. Em Nos Domínios da Mediunidade, André Luiz explica que "assim como o corpo físico pode ingerir alimentos venenosos que lhe intoxicam os tecidos, também o organismo perispiritual absorve elementos que lhe degradam, com reflexos sobre as células materiais".  
Permanentemente, recebemos energia vital que vem do cosmo, da alimentação, da respiração e da irradiação das outras pessoas e para elas imprimimos a energia gerada por nós mesmos. Assim, somos responsáveis por emitir boas ou más energias às outras pessoas. A energia que irradiamos aos outros estará impregnada com nossa carga energética, isto é, carregada das energias de nossos pensamentos e de nossos sentimentos, sendo necessário que vigiemos o que pensamos e sentimos.
 


 
TIPOS DE DOENÇAS

Podemos classificar as doenças em três tipos: físicas, espirituais e atraídas ou simbióticas. As doenças físicas são distúrbios provocados por algum acidente, excesso de esforço ou exagero alimentar, entre outros, que fazem um ou mais órgãos não funcionarem como deveriam, criando uma indisposição orgânica.
 
As doenças espirituais são aquelas provenientes de nossas vibrações. O acúmulo de energias nocivas em nosso perispírito gera a auto-intoxicação fluídica. Quando estas energias descem para o organismo físico, criam um campo energético propício para a instalação de doenças que afetam todos os órgãos vitais, como coração, fígado, pulmões, estômago etc., arrastando um corolário de sofrimentos.  
As energias nocivas que provocam as doenças espirituais podem ser oriundas de reencarnações anteriores, que se mantém no perispírito enfermo enquanto não são drenadas. Em cada reencarnação, já ao nascer ou até mesmo na vida intra-uterina, podemos trazer os efeitos das energias nocivas presentes em nosso perispírito, que se agravam à medida que acumulamos mais energia negativa na reencarnação atual. Enquanto persistirem as energias nocivas no perispírito, a cura não se completará.  
Já as doenças atraídas ou simbióticas são aquelas que chegam por meio de uma sintonia com fluidos negativos. O que uma criatura colérica vibrando sempre maldades e pestilências pode atrair senão as mesmas coisas? Essa atração gera uma simbiose energética que, pela via fluídica, causa a percepção da doença que está afetando o organismo do espírito que está imantado energeticamente na pessoa, provocando a sensação de que a doença está nela, pois passa a sentir todos os sintomas que o espírito sente. Aí, a pessoa vai ao médico e este nada encontra.  
André Luiz afirma que "se a mente encarnada não conseguiu ainda disciplinar e dominar suas emoções e alimenta paixões (ódio, inveja, idéias de vingança), ela entrará em sintonia com os irmãos do plano espiritual, que emitirão fluidos maléficos para impregnar o perispírito do encarnado, intoxicando-o com essas emissões mentais e podendo levá-lo até à doença".

 

O SURGIMENTO DAS DOENÇAS

A cada pensamento, emoção, sensação ou sentimento negativo, o perispírito imediatamente adquire uma forma mais densa e sua cor fica mais escura, por causa da absorção de energias nocivas. Durante os momentos de indisciplina, o homem mobiliza e atrai fluidos primários e grosseiros, os quais se convertem em um resíduo denso e tóxico.
 
Devido à densidade, estas energias nocivas não conseguem descer de imediato ao corpo físico e vão se acumulando no perispírito. Com o passar do tempo, as cargas energéticas nocivas que não forem dissolvidas ou não descerem ao corpo físico formam manchas e placas que aderem à superfície do perispírito, comprometendo seu funcionamento e se agravando quando a carga deletéria acumulada é aumentada com desatinos da existência atual.  
Em seus tratados didáticos, a medicina explica que, no organismo do homem, desde seu nascimento físico, existem micróbios, bacilos, vírus e bactérias capazes de produzirem várias doenças humanas. Graças à quantidade ínfima de cada tipo de vida microscópica existente, eles não causam incômodos, doenças ou afecções mórbidas, pois ficam impedidos de terem uma proliferação além da "cota mínima" que o corpo humano pode suportar sem adoecer. No entanto, quando esses germes ultrapassam o limite de segurança biológica fixado pela sabedoria da natureza, motivados pela presença de energias nocivas no corpo físico, eles se proliferam e destroem os tecidos de seu próprio "hospedeiro".  
Partindo das estruturas energéticas do perispírito na direção do corpo, em ondas sucessivas, essas radiações nocivas criam áreas específicas nas quais podem se instalar ou se desenvolver as vidas microscópicas encarregadas de produzir os fenômenos compatíveis com os quadros das necessidades morais para o indivíduo. Elas se alimentam destas energias nocivas que chegam ao físico, conseguindo se multiplicar mais rapidamente e, em conseqüência, causando as doenças.
A recuperação do espírito enfermo só poderá ser conseguida mediante a eliminação da carga tóxica que está impregnada em seu perispírito. Embora o pecador já arrependido esteja disposto a uma reação construtiva no sentido de se purificar, ele não pode se subtrair dos imperativos da Lei de Causa e Efeito. Para cada atitude corresponde um efeito de idêntica expressão, impondo uma retificação de aprimoramento na mesma proporção, ou seja, a pessoa tem que dispender um esforço para repor as energias positivas da mesma maneira que dispende esforços para produzir as energias negativas que se acumulam em seu perispírito.



ELIMINANDO AS ENERGIAS TÓXICAS

Assim, como decorrência de tal determinismo, o corpo físico que veste agora ou outro, em reencarnação futura, terá de ser justamente o dreno ou a válvula de escape para expurgar os fluidos deletérios que o intoxicam e impedem de firmar sua marcha na estrada da evolução. Durante a purificação perispiritual, as toxinas psíquicas convergem para os tecidos, órgãos ou regiões do corpo, provocando disfunções orgânicas que conhecemos como doença.
 
Quando o espírito não consegue expurgar todo o conteúdo venenoso de seu perispírito durante a existência física, ele desperta no além sobrecarregado de energia primária, densa e hostil. Em tal caso, devido à própria "lei dos pesos específicos", ele pode cair nas zonas umbralinas pantanosas, onde é submetido à terapêutica obrigatória de purgação no lodo absorvente. Assim, pouco a pouco vai se libertando das excrescências, nódoas, venenos e "crostas fluídicas" que nasceram em seu tecido perispiritual por efeito de seus atos de indisciplina vividos na matéria.  
Os charcos pantanosos do umbral inferior são do mesmo nível vibratório das manchas e placas, por isso servem para drenar essas energias nocivas. Embora sofram muito nesses locais, isso os alivia da carga tóxica acumulada na Terra, assim como seu psiquismo enfermo, depois de sofrer pela dor cruciante, desperta e se corrige para viver existências futuras mais educativas ou menos animalizadas.  
Os espíritos socorristas só retiram dos charcos purgatoriais os "pecadores" que já estão em condições de uma permanência suportável nos postos e colônias de recuperação perispiritual adjacentes à crosta terrestre.  
Cada um tem certo limite que pode agüentar em meio a estes charcos, então eles são resgatados mesmo que ainda não tenham expurgado todas as placas, reencarnando em corpos onde permanecerão expurgando e drenando essas energias através das doenças que se manifestarão no corpo físico.

 

AJUDA DA MEDICINA

A doutrina espírita não prega o conformismo, por isso é lícito procurar a medicina ter rena, que pode aliviar muito e curar onde for permitido. Se a misericórdia divina colocou os medicamentos ao nosso alcance é porque podemos e devemos utilizá-los para combater as energias nocivas que migraram do perispírito para o corpo físico, mas não devemos esquecer que os medicamentos alopáticos combatem somente os efeitos da doença.
 
Isto quer dizer que, quando as doenças estão presentes no corpo físico, devemos combatê-la, buscar alívio. Muitas vezes, estas doenças exigem tratamentos prolongados, outras vezes necessitamos até de cirurgia, mas tudo faz parte da "Lei de Causa e Efeito", que tenta despertar para uma reforma moral através deste processo doloroso. Qualquer medida profilática em relação às doenças tem que se iniciar na conduta mental, exteriorizando-se na ação moral que reflete o velho conceito latino: mens sana in corpore sano.  
Estados de indisciplina são os maiores responsáveis pela convocação de energias primárias e daninhas que adoecem o homem pelas reações de seu perispírito contra o corpo físico. Sentimentos como orgulho, avareza, ciúme, vaidade, inveja, calúnia, ódio, vingança, luxúria, cólera, maledicência, intolerância, hipocrisia, amargura, tristeza, amor-próprio ofendido, fanatismo religioso, bem como as conseqüências nefastas das paixões ilícitas ou dos vícios perniciosos, são também geradores das energias nocivas.  
Ou seja, a causa das doenças está na própria leviandade no trato com a vida. Analisando criteriosamente o comportamento, ver-se-á que os males que atormentam as pessoas persistirão enquanto não forem destruídas as causas. Portanto, soluções superficiais são enganosas. É preciso lutar contra todas as aflições, mas jamais de forma milagrosa. Procuremos sempre pensar e agir dentro dos ensinamentos cristãos, a fim de alcançarmos a cura integral.

- Por Edvaldo Kulcheski -
  Fonte:ippb.org.br

mensagem de Chico Xavier -"Nas Crises" - Emmanuel

Mensagem "Resposta à Pressa" André Luiz - Chico Xavier

A Cidade de Agartha


A palavra Agharta é de origem budista. Refere-se ao Mundo Subterrâneo ou Império, em cuja existência todos os verdadeiros budistas acreditam fervorosamente. Eles também acreditam que este Mundo Subterrâneo tem milhões de habitantes e muitas cidades, todas sob o supremo domínio de Shamballah, a capital do mundo subterrâneo, onde reside o Chefe Supremo deste Império, conhecido no Oriente como Rei do Mundo. Acredita-se que deu ordens ao Dalai Lama do Tibete, que era o seu representante terrestre e que suas mensagens eram transmitidas através de certos túneis que ligam o Mundo Subterrâneo ao Tibete. 


Túneis misteriosos e semelhantes existem no Brasil. O Brasil, no Ocidente, e o Tibete, no Oriente, parecem ser as duas partes da Terra onde os contatos entre o Mundo Subterrâneo e a superfície podem ser mais facilmente estabelecidos, devido à existência destes túneis. Nicholas Roerich, o famoso artista, filósofo e explorador russo, que viajou extensivamente pelo Oriente Distante, assevera que Lhasa, a capital do Tibete, era ligada por um túnel a Shamballah, a capital do império subterrâneo de Agharta. A entrada deste túnel era guardada por lamas que juraram conservar secreta a sua real localização, por ordem do Dalai Lama. Acredita-se que um túnel semelhante ligava as câmaras secretas da base da Pirâmide de Gizeh com o Mundo Subterrâneo, por intermédio do qual os faraós mantinham contato com os deuses ou super-homens do mundo sob a terra.

 

As várias estátuas gigantescas dos primeiros deuses e reis egípcios, bem como as de Buda, encontrados no Oriente, representam super-homens subterrâneos que vieram à superfície auxiliar a espécie humana. São geralmente representados como assexuados. Eram emissários de Agharta, o paraíso subterrâneo, que é a meta desejada por todos osverdadeiros budistas. 
As tradições budistas estabelecem que Agharta foi colonizada, pela primeira vez, há milhares de anos, quando um santo homem conduziu uma tribo, que desapareceu sob a Terra. Supõe-se que os ciganos vieram de Agharta, o que explica o seu desassossego.na superfície da Terra e suas viagens constantes em busca de sua pátria perdida. Isto faz lembrar de Noé, que era realmente um atlante que salvou um grupo merecedor, antes do dilúvio que submergiu Atlântida. Acredita-se que trouxe este grupo para um alto planalto brasileiro, onde se estabeleceu em cidades subterrâneas, interligadas por túneis com a superfície, a fim de escapar do envenenamento pelas precipitações radioativas produzidas pela guerra nuclear dos atlantes, que trouxe a inundação que submergiu seu continente. 
Acredita-se que a civilização subterrânea de Agharta representa uma continuação da civilização atlante, que, tendo se convencido da futilidade da guerra, permaneceu desde então num estado de paz permanente, fazendo progressos científicos estupendos, jamais interrompidos pela recorrência das guerras, como a nossa civilização da super fície o tem sido. Sua civilização tem muitos milhares de anos de idade (Atlântida afundou há cerca de 11.500 anos atrás),enquanto a nossa é muito jovem, com apenas uns poucos séculos de idade.

 

Os cientistas do mundo subterrâneo são capazes de aproveitar forças naturais das quais nada sabemos, como demonstrado pelos seus discos voadores, que são operados por uma nova e desconhecida fonte de energia, mais sutil que a energia atômica. Ossendowski assevera que o Império de Agharta consiste de uma rede subterrânea de cidades, interligadas por túneis, através dos quais os veículos passem a velocidades tremendas, tanto sob a Terra como sob o oceano.  
Estes povos vivem sob o reinado benigno de um governo universal, chefiado pelo Rei do Mundo. São os descendentes dos habitantes dos continentes perdidos de Lemúria e Atlântida, bem como da raça perfeita e original dos Hyperboreos, a raça dos deuses. 
Durante várias épocas da história, os super-homens ou deuses de Agharta vieram à superfície ensinar a espécie humana e salvá-la de guerras, catástrofes e destruição. A vinda dos discos voadores, logo depois da primeira explosão atômica em Hiroshima, representa uma outra de tais visitas, porém desta vez os próprios deuses não apareceram entre os homens, enviando-lhes os seus emissários. 
O épico indu Ramaiana descreve Rama como um dos tais emissários de Agharta, vindo num veículo aéreo que era, provavelmente, um disco voador. 
Fonte:mortesubita.org

Caridade, A Meta


Guarda, na mente, que a caridade em teus atos deve ser a luz que vence a sombra. Enquanto não compreendas que a caridade é sempre a bênção maior para quem a realiza, ligando o benfeitor ao necessitado, estarás na fase primária da virtude por excelência.
Poderás repartir moedas, a mãos-cheias; todavia, se não mantiveres o sentimento da amizade em relação ao carente, não terás logrado alcançar a essência da caridade.
Repartirás tecidos e agasalhos com os desnudos; no entanto, se lhes não ofertares compreensão e afabilidade, permanecerás na filantropia.
Atenderás aos enfermos com medicação valiosa; entretanto, se não adicionares ao gesto a gentileza fraternal, estarás apenas desincumbindo-te de um mister de pequena monta.
Ofertarás o pão aos esfaimados; contudo, se os não ergueres com palavras de bondade, não alcançaste o sentido real da caridade.
Distribuirás haveres e coisas com os desafortunados do caminho; não obstante, sem o calor do teu envolvimento emocional em relação a eles, não atingiste o fulcro da virtude superior.
A caridade é algo maior do que o simples ato de dar.
Certamente, a doação de qualquer natureza sempre beneficia aquele que lhe sofre a falta. Todavia, para que a caridade seja alcançada, é necessário que o amor se faça presente, qual combustível que permite o brilho da fé, na ação beneficente.
A caridade material preenche os espaços abertos pela miséria sócio-econômica, visíveis em toda parte.
Além deles, há todo um universo de necessidades em outros indivíduos que renteiam contigo e esperam pela luz libertadora do teu gesto.
A indulgência, em relação aos ingratos e agressivos;
a compaixão, diante dos presunçosos e perversos;
a tolerância, em favor dos ofensores;
a humildade, quando desafiado ao duelo da insensatez;
a piedade, dirigida ao opressor e déspota;
a oração intercessória, pelo adversário;
a paciência enobrecida, face às provocações e à irritabilidade dos outros;
a educação, que rompe as algemas da estupidez e da maldade que se agasalham nas furnas da ignorância gerando a delinqüência e a loucura...
A caridade moral é desafio para toda hora, no lar, na rua, no trabalho.
Exercendo-a, recorda também da caridade em relação a ti mesmo.
Jesus, convivendo com os homens, lecionou exemplificando todas as modalidades da caridade, permanecendo até hoje como o protótipo mais perfeito que se conhece, tornando-a a luz do gesto, que vence a sombra do mal, através da ação do amor.
Caridade, pois, eis a meta.
* * *

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Vigilância.
Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis.


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Irmã Dulce,exemplo de Amor Divino



Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, pouco tempo antes de completar 78 anos. A fragilidade com que viveu os últimos 30 anos da sua vida, com a saúde abalada seriamente - tinha 70% da capacidade respiratória comprometida - não impediu que ela construísse e mantivesse uma das maiores e mais respeitadas instituições filantrópicas do país, batendo de porta em porta pelas ruas de Salvador, nos mercados, feiras livres ou nos gabinetes de governadores, prefeitos, secretários, presidentes da República, sempre com a determinação de quem fez da própria vida um instrumento vivo da fé.Segunda filha do dentista Augusto Lopes Pontes, professor da Faculdade de Odontologia, e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes, ao nascer em 26 de maio de 1914 em Salvador, Irmã Dulce recebeu o nome de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. O bebê veio ao mundo na rua São José de Baixo, 36, no bairro do Barbalho, na freguesia de Santo Antônio Além do Carmo. A menina Maria Rita foi uma criança cheia de alegria, adorava brincar de boneca, empinar arraia e tinha especial predileção pelo futebol - era torcedora do Esporte Clube Ypiranga, time formado pela classe trabalhadora e excluídos sociais que foi o primeiro a romper com o perfil elitista do esporte baiano no início do século XX.Aos sete anos, em 1921, perde sua mãe Dulce, que tinha apenas 26 anos. No ano seguinte, junto com seus irmãos Augusto e Dulce (a querida Dulcinha), faz a primeira comunhão, na Igreja de Santo Antônio Além do Carmo.A sua vocação para trabalhar em benefício da população carente teve a influência direta da família, uma herança do pai que ela levou adiante, com o apoio decisivo da irmã, Dulcinha.
 
Irmã Dulce junto com Madre Tereza
 
 Aos 13 anos, o destemor e o senso de justiça, traços marcantes revelados quando ainda era muito novinha, faziam com que ela acolhesse mendigos e doentes, transformando a casa da família, na Rua da Independência, 61, no bairro de Nazaré, num centro de atendimento. É nessa época, em que sua casa ficou conhecida como ‘A Portaria de São Francisco’, tal o número de carentes que se aglomeravam à porta, que ela manifesta pela primeira vez o desejo de se dedicar à vida religiosa, após visitar com uma tia áreas onde habitavam pessoas pobres.Em 8 de fevereiro de 1933, logo após a sua formatura como professora,Maria Rita entrava para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe. Pouco mais de um ano depois, em 15 de agosto de 1934, era ordenada freira, aos 20 anos de idade, recebendo o nome de Irmã Dulce, em homenagem à sua mãe.A primeira missão de Irmã Dulce como freira foi ensinar em um colégio mantido pela sua congregação no bairro da Massaranduba, na Cidade Baixa, em Salvador. Mas, o seu pensamento estava voltado para o trabalho com os pobres. Já em 1935, dava assistência à comunidade pobre de Alagados, conjunto de palafitas que se consolidara na parte interna do bairro de Itapagipe. Nessa mesma época, começa a atender também os operários que eram numerosos naquele bairro, criando um posto médico e fundando, em 1936, a União Operária São Francisco – primeira organização operária católica do estado, que depois deu origem ao Círculo Operário da Bahia. Em 1937, funda, juntamente com Frei Hildebrando Kruthaup, o Círculo Operário da Bahia, mantido com a arrecadação de três cinemas que ambos haviam construído através de doações - o Cine Roma, o Cine Plataforma e o Cine São Caetano. Em maio de 1939, Irmã Dulce inaugurava o Colégio Santo Antônio, escola pública voltada para operários e filhos de operários, no bairro da Massaranduba.Nesse mesmo ano, Irmã Dulce invadiu cinco casas na Ilha dos Ratos, para abrigar doentes que recolhia nas ruas. Expulsa do lugar, ela peregrinou durante uma década, levando os seus doentes por vários lugares. Por fim, em 1949, Irmã Dulce ocupa um galinheiro ao lado do convento, após autorização da sua superiora, com os primeiros 70 doentes. A iniciativa deu origem à tradição propagada há décadas pelo povo baiano de que a freira construiu o maior hospital da Bahia a partir de um simples galinheiro. Já em 1959, é instalada oficialmente a Associação Obras Sociais Irmã Dulce e no ano seguinte é inaugurado o Albergue Santo Antônio.
 
 
O incentivo para construir a sua obra, Irmã Dulce teve do povo baiano, de brasileiros dos diversos estados e de personalidades internacionais. Em 1988, ela foi indicada pelo então presidente da República, José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia, da Suécia, para o Prêmio Nobel da Paz. Oito anos antes, no dia 7 de julho de 1980, Irmã Dulce ouviu do Papa João Paulo II, na sua primeira visita ao país, o incentivo para prosseguir com a sua obra.Os dois voltariam a se encontrar em 20 de outubro de 1991, na segunda visita do Sumo Pontífice ao Brasil. João Paulo II fez questão de quebrar o rigor da sua agenda e foi ao Convento Santo Antônio visitar Irmã Dulce, já bastante debilitada, no seu leito de enferma. Cinco meses depois da visita do Papa, os baianos chorariam a morte do Anjo Bom. No velório, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, políticos, empresários, artistas, se misturavam a dor das milhares de pessoas simples, anônimas. Muitas delas, identificadas com o que poderíamos chamar do último nível da escala social, justamente para quem Irmã Dulce dedicou a sua obra.
Fonte:minhaprece.com

Feng Shui:O Poder do Sal



A palavra Sal vem do grego halshalos, que tanto significa sal como mar. Da mesma raiz se deriva a palavra halita, dada ao cloreto de sódio encontrado em depósitos naturais, que é o sal gema.

Platão falava que “o Sal é uma substância cara aos Deuses”

Antigamente, sacerdotes usavam o sal para afastar os demônios. No Egito Antigo, o sal foi considerado um produto sagrado e era oferecido aos Deuses. Os romanos consideravam o sal um símbolo de sabedoria, e por isso usavam-no num ritual aos recém-nascidos, derramavam sal sobre eles para que nunca faltasse a sabedoria.
Gregos e romanos, para agradar deuses do lar, faziam sacrifícios de animais. Era comum por sal na cabeça do animal sacrificado, para purificar a casa. Também para os hebreus o sal era elemento de purificação, assim como os cristãos, que no batismo colocavam sal nos lábios de recém-nascidos.
Na Idade Média o sal era usado para afastar os maus espíritos, os demônios e as bruxas das casas, jogando sal nas portas, janelas e chaminés. Na obra de Leonardo da Vinci A Última Ceia retrata um saleiro derrubado diante de Judas e apontando na sua direção. Nesta época dizia-se que alguém que entornasse sal deveria pegar um punhado do que foi derramado e lançá-lo para trás do ombro esquerdo, lado que representava o mal.
Os árabes citam recomendações de Maomé: “começar pelo sal e terminar com o sal; porque o sal cura numerosos males”. No Marrocos coloca-se sal nos lugares escuros para espantar os maus espíritos. No Laos e Sião, as mulheres grávidas lavam-se diariamente com água e sal para proteger-se contra as maldições. Nos países Nórdicos, o sal e coloca junto ao berço das crianças, para protegê-las.
No Havaí, a pessoa que volta de um funeral joga sal sobre ela mesma, para afastar maus espíritos não venham com ela do enterro. Os japoneses têm o costume de deitar sal na soleira da porta de suas casas depois de alguém não desejado ou negativo ter saído.
Nos dias atuais, o sal continua sendo muito usado por vários povos com muita força mística. É usado no esoterismo e bruxaria para afastar as energias ruins e os maus espíritos. O sal grosso e o sal marinho são muito usados para eliminar a energia negativa de ambientes e das pessoas. O sal tem a propriedade de atrair a os íons negativos dos ambientes e das pessoas.
Residências e empresas que têm a energia negativa sofrem um desequilíbrio energético que atua negativamente nos ambientes e energia das pessoas. É muito comum esta energia negativa ficar concentrada nos cantos dos ambientes e na porta de entrada principal do imóvel.




 O sal é um potente elemento no combate das energias em conjunto com outros elementos. Veja algumas formas de usar o sal no equilíbrio, proteção e purificação da sua casa:
- Coloque atrás da porta de entrada de cada ambiente da casa ou empresa um copinho plástico de café cheio de sal. O sal irá absorver as más energias deste ambiente. Trocar o copo com sal uma vez por semana.
- Coloque atrás da porta de entrada principal dos ambientes um copo de vidro americano com água e uma medida de dedo de sal. A combinação de água com sal é um poderoso catalisador de más energias. Trocar a água com sal uma vez por semana.
- Coloque atrás da porta de entrada principal dos ambientes um copo de vidro americano com água, uma medida de dedo de sal e um pedaço de carvão vegetal. A combinação de água, sal e carvão é um poderoso catalisador de más energias. O carvão fica boiando no topo do copo. Trocar a água com sal toda vez que o carvão afundar.
- Coloque nos ambientes principais o seguinte “enfeite energético”: numa peça de vidro coloque sal grosso até a borda. Por cima coloque dentes de alho, pimenta vermelha, cristal de quartzo branco e turmalina preta. Esta pilha irá absorver as más energias nos ambientes. Trocar o enfeite a casa 30 dias. Jogue fora o alho, pimenta e sal. Lave bem as pedras e o vidro.
- Uma vez por mês lave o chão do imóvel com uma mistura de água com sal. Coloque num balde de 10 litros água comum e uma colher de sal. Acrescente uma tampa de anil liquido e uma colher de sopa de alfazema. Passe um pano no chão mergulhado nesta mistura do fundo do imóvel para frente. Termine na porta de entrada. Isto irá eliminar as más energias e deixará os ambientes mais calmos.





 Cuidando de você – O banho com água e sal

Vamos nos limpar agora. O banho de sal grosso é o chamado “descarrego” das más energias que acumulamos no dia a dia. É recomendado para eliminar as toxinas, porque o sal anula o excesso de energia e limpar a sua aura. Na hora de tomar seu banho, prepare a solução de água com sal para a limpeza. Num balde coloque um litro de água morna e uma colher de açúcar de sal. Misture bem ate que vire salmoura. Comece por tomar o seu banho normal. Em seguida, tome um segundo banho de chuveiro para retirar o excesso de sal. Faça esta limpeza uma vez por mês.
Também pode jogar a água com sal direto no corpo do pescoço para baixo. Nunca jogue na cabeça.
Outra alternativa é usar o sal grosso junto com o sabonete na hora de ensaboar. No final retire o excesso de sal tomando uma boa “chuveirada”.
Faça estes banhos quando sentir vontade ou quando sentir cansaço. Há muitas formas de usar o sal para equilíbrio físico e dos ambientes. Use com regularidade e boas energias!
Fonte:fengshuieboasenergias.blog.terra.com.br

As Sibilas


O tão famoso Templo de Apolo tinha a seu serviço jovens gregas que eram escolhidas de famílias ricas para prestar culto ao deus Apolo e atuar como intermédio no oráculo. Eram as profetisas do templo. As também chamadas Sibilas.
Do dicionário, a definição para sibila é bruxa, mulher sábia e sacerdotisa. Embora as mais famosas fossem as que prestavam culto ao deus Apolo, existiram sibilas também em outras civilizações. como as persa, libanesa, hebraica, délfica, etrusca, etc.
 

As Sibilas na história:
 
 
Na Pérsia existiu uma profetisa chamada Sibilina Babilónica, e ela profetizou os feitos de Alexandre O Grande. Na Líbia, havia uma Sibila de Amon, que num templo de Amon, ( Zeus), que aconselhou Alexandre O Grande aquando da sua conquista do Egito. No templo de Apolo, em Delfos, também existia uma Sibila de grande poder, procurada por pessoas de todo o mundo.
Em Roma, existiu também uma Sibila Etrusca, que foi consultada por César. Existiu também um Livro Sibilino, um conjunto de oráculos provindos da Sibila de Cumas, compilado pelo Rei Tarquinio 534 a.C. - 509 a.C..
A sibila de Cumas era natural da jónia, ( Turquia), e o seu dom profético revelou-se desde o seu nascimento. A sibila de Cumas profetizava as suas revelações em versos.
A ela estão ligadas profecias de inestimável valor e surpreendente veracidade, sobre a grande mudança que sofreu o império romano, assim como sobre o nascimento de Jesus e o Cristianismo.
 
 
 
 
As sibilas praticavam as artes da adivinhação através do contacto com espíritos, fazendo-a através de diversos métodos. Alguns deles ainda hoje são conhecidos: piromancia, necromancia, leituras de pêndulos e varas, incorporação, etc
Na antiguidade, o dom da adivinhação era visto como uma capacidade divina, que alguns possuíam. Essas pessoas que tinham o dom de contactar com os espíritos, usavam diversos rituais como forma de invocar as divindades e também de receber delas as respostas ás suas questões. A mancia, é o termo Grego que exprime a capacidade de prever o futuro com recurso á comunicação com o mundo espiritual.
As Sibilas , ( também conhecidas por Pitias ou Pitonisas), consultavam Apolo usando métodos de incorporação, e o seu templo principal situava-se em Delfos,; Afrodite era consultada pelas suas profetizas na ilha de Chipre, onde se situava o templo de Pafos, através de meios necromânticos, usando as entranhas e os fígados de vitimas sacrificiais; A Deusa Atena era consultada atraves de um oráculo de ossos e conchas; O deus Asclépio, ( responsável por lendárias curas inexplicáveis milagres no campo da saúde), possuía o seu Templo em Tebas, e era consultado por incubação, ou seja, atraves dos sonhos.
Fonte:circulandomagia.blogspot.com

A Vinda de Jesus anunciada pelas Sibilas

Se engana quem acredita que as profecias sobre a 1º vinda de Jesus só se encontram na Biblia.
Nos dias que antecediam a vinda do Divino Mestre, existia uma atmosfera no ar, uma energia diferente que brotava por todos os lados em todos os corações. O terreno estava preparado para o nascimento de Jesus.
Além dos profetas biblicos, magos, bruxas, pessoas comuns, faziam profecias sobre a vinda de Jesus.
Entre os cristãos primitivos havia o texto chamado "David cum sibyla" conhecido como "Dies irae", referindo-se ao juízo final. E nos templos pagãos dos gregos, romanos, egípcios, caldeus e persas, como nos santuários, tantas vezes tenebrosos, as sibilas profetizavam, fazendo ouvir as vozes misteriosas dos "manes" e das "pítias", todas elas, unissonamente, profetizaram sobre o Messias esperado.

Cassandra, a sibila Titurbina
 
Nos campos de Belém, em lugar agreste
Eis que uma virgem se torna mãe de um deus!
E o menino, nascido em carne mortal,
Suga o leite puro do seu seio casto.
Oh! Três vezes feliz! Tu aleitarás
O Filho do Eterno, protegendo-o com os teus braços.

A sibila Europa
 
Sob um pequeno alpendre, aberto, inabitado
O Rei dos Reis nasce pobremente.
Ele que tem o poder de dispor de todos os bens!
Vejam: sobre o feno, seu corpo descansa.
Os mortos, do Inferno, piedoso tirará.
Depois, triunfante, em glória, subirá aos céus.

A sibila Helespôntica, que viveu por volta de 560 a.C.
 
Os povos não sofrerão mais, como no passado.
Verão em abundância as colheitas de Ceres.
Uma santa jovem, sendo mãe e virgem
Conceberá um filho de poder imortal.
Ele será deus da paz, e o mundo, perdido,
Será salvo por Ele.

A sibila Egípcia
 
O verbo se fez carne, sem poluição
Duma virgem Ele toma seu corpo.
Exprobará o vício; e a alma depravada
Ante Ele cobrirá a face.
Aqueles que ante Ele se arrependerem
Terão socorro e graça na hora do sofrimento.

Amaltéia, sibila Cumana
 
Deus, para nos resgatar, toma a humana vestidura.
Mais do que a nossa salvação, nada lhe é mais caro.
A paz, à sua vinda, descerá à Terra,
A tranqüilidade florirá; e o Universo, sem guerra,
Não será mais de perturbações agitado.
A idade de ouro retomará seu brilho.

 



Ciméria, sibila de Cumes , Sacerdotisa de Apolo.
 
Num século surgirá o dia
Em que o Rei dos Reis habitará conosco.
Três Reis do Oriente, guiados pela luz
Dum astro rutilante, que ilumina a jornada,
Virão adorá-Lo e humildes, prosternados,
Lhe oferecerão ouro, incenso e mirra.

Prisca, sibila Eritréia
 
Vejo o Filho de Deus, vindo do Olimpo
Entre os braços de uma virgem hebréia.
Que lhe oferece o seio puro.
Em sua vida viril, entre penas cruéis,
Sofrerá por aqueles
Que O fizerem nascer, mostrando
Que, como um Pai, se afligiu por eles.

A sibila Líbica, Filha de Nonnullio.
 
Um rei do povo hebreu será o Redentor
Bom, justo e inocente. Pelo homem pecador
Padecerá muito. Com olhar arrogante
Os escribas O acusarão de se dar
Como Filho de Deus. Ao povo Ele ensinará
Anunciando-lhe a salvação.

Sambeta, sibila Pérsica, Filha de Berosi.
Do Filho do Eterno uma virgem
Será mãe. Seu nascimento trará ao mundo
A vida e a salvação. Com grande modéstia,
Conquanto rei, montado sobre um asno,
Ele fará sua entrada em Solymea, onde injuriado,
E condenado pelos maus, sofrerá a morte.
Jerusalém.

Daphné, a sibila Délfica
 
Depois que alguns anos passarem
O Deus, duma virgem nascido, aos homens aflitos
Fará luzir a esperança da redenção.
Conquanto tudo possa (e quão alto está
O seu trono) Ele sofrerá
A morte para, da morte, resgatar seus povos.

 




Phito - sibila Samiense
 
Eis que os santos decretos se cumprem.
Entre os dias mais claros, este é,
Duma bela claridade que tudo ilumina.
As trevas se vão. Deus, seu Filho nos manda
Para abrir nossos olhos. Eia! Vede o imortal
Que de espinhos se cobre e por nós se entrega à morte.

Sibila Aneyra, da Frígia
 
"O Filho Excelso do Pai Poderoso,
Tendo sofrido a morte abate-se, frio, inerte,
Sobre o colo débil de sua mãe.
Vendo-lhe o corpo dessangrado
Ela sofre profundo golpe. Ei-lo! Está morto!
Sem Ele nós morreríamos em nossos próprios pecados."

De todas as Sibilas celebradas pela tradição ou pela história, que volveram naqueles recuados tempos, como instrumentos das revelações do Plano Espiritual, da Pérsia ao Egito e à Grécia, poucas foram as que deixaram de referir-se ao advento do Messias esperado.
Fonte:andersonlima.blogspot.com

A Doutrina Secreta


A Doutrina Secreta pretende apresentar assuntos da ciência e filosofia do final do século XIX e das religiões antigas e mitologia de uma forma sintética e unificada. O livro é a mais completa exposição das idéias da Teosofia.
O texto é de difícil leitura e compreensão pois usa intensamente expressões em
sânscrito que não são familiares ao leitor ocidental médio. Já na época, Blavatsky deu início a uma obra cujo cunho seria facilitar a leitura de A Doutrina Secreta e de outras obras, o Glossário Teosófico, que não chegou a terminar nem ver editado.
Além disto, muitos aspectos do texto estão velados por um simbolismo não inteiramente explicado. Isto se deve, segundo
Blavatsky, ao facto da humanidade não estar ainda totalmente preparada para conhecer certos ensinamentos que devem permanecer secretos.




Embora o livro não tenha feito muito sucesso na época de Blavatsky, tornou-se um livro popular e influente no século XX, tendo como leitores personalidades como Albert Einstein, Mahatma Gandhi, Thomas Edison, Bernard Shaw, Aldous Huxley, entre outros. O livro tem, até hoje, uma influência no pensamento ocidental ao difundir as idéias da filosofia e das religiões orientais, abrindo espaço para um encontro do ocidente com o oriente.
Há quem critique a obra, seja pelo fato de ter mais de cem anos (pelo que estaria desatualizada), seja pelo estilo velado (
esotérico). Para os adeptos da Teosofia, muitos avanços da ciência se deram após os trabalhos de Blavastky. Segundo estes, os avanços que ocorreram no século XX na física de altas energias, na astronomia de espaço profundo, na química e na medicina foram apresentados, de uma perspectiva mística e não científica, primeiramente em A Doutrina Secreta.

 

 

Mas a maior crítica ao livro e às idéias de Blavatsky é em relação a um moderado racismo, particularmente quando Blavatsky refere-se a alguns grupos étnicos, os aborígenes australianos, por exemplo, como menos humanos que os arianos, já que os identifica como mestiços atlanto-lemurianos. Com relação aos semitas, particularmente os árabes, diz que são espiritualmente degenerados.
Muitas destas críticas têm sua origem no fato de Blavatsky ser considerada por muitos como uma autora polêmica, a ponto de seus detratores considerarem-na uma farsante.
Fonte:netsaber.com.br 

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

As Pirâmides da China


De acordo com a lenda chinesa, as mais de cem pirâmides descobertas na China são o legado de visitantes extraterrestres.




Cerca de cem pirâmides, muito semelhantes à famosa pirâmide de Chichén-Itzah, no México, foram descobertas na região central da China. Qual seria sua origem? São tão antigas, como dizem alguns pesquisadores que visitaram a região chinesa de Kin Chuan? Teriam sido criadas por extraterrestres ou são mais um legado, de acordo com a antropologia gnóstica, dos sábios atlantes?








De acordo com a lenda chinesa, são o legado de visitantes extraterrestres.



Na virada do século, dois comerciantes australianos se encontravam numa vasta área nas planícies de Qin Chuan, na China central. Lá eles descobriram mais de cem pirâmides. Quando eles perguntaram ao guarda de um monastério local sobre elas, foi-lhes dito que, de acordo com os registros guardados no monastério, as pirâmides são consideradas muito antigas. Visto que os registros tinham mais de 5000 anos, podemos apenas imaginar a idade das pirâmides propriamente ditas.



Foi dito aos comerciantes que as pirâmides pertenciam à uma era quando os velhos imperadores reinavam na China, e que os imperadores sempre enfatizavam o fato de que eles não eram originários da Terra. Eles eram descendentes dos filhos do céu, que estrondosamente desceram a esse planeta em seus dragões de metal ardente. Foi dito aos comerciantes que as pirâmides haviam sido construídas por visitantes do espaço sideral.
Todas elas estão situadas nas planícies de Qin Chuan e diferem em tamanho entre 25 e 100 metros de altura. Todas, exceto uma. Ao norte, no vale de Qin Lin, encontra-se o que se tornou conhecido como a Grande Pirâmide Branca. Ela é imensa, aproximadamente 300 metros de altura!



Fonte: Conspiração - As Pirâmides Chinesas.
contosassombrosos.blogspot.com

sábado, 12 de novembro de 2011

A Mestra Pórtia


Mestra Pórtia, Deusa da oportunidade, complemento de Saint German e parceira direta da Mãe Kwan Yng, ela atua no Conselho Cármico estelar e procura através de seu Logos Crístico restaurar a energia Crística original de cada ser que se manifesta equivocadamente dentro da luz. Ela é um foco de luz muito poderoso que atua com diversas falanges da espiritualidade atuante nos planos mais próximos a humanidade terrena. Emprega o poder da misericórdia do Raio Violeta e Ultra Violeta e também com a energia do raio Magenta onde a tonalidade rosada é mais amplificada que a azul, procurando com isso atuar de forma diferente a Saint German, para assim complementar outras tarefas em conjunto com os 22 Raios, onde cada qual manifesta suas contribuições para resgatar a Terra e as humanidades presentes nela.



Saudações!

A expressão de gratidão provê o caminho mais rápido para experimentar uma vida jovial e além de lhe ajudar a forjar um caminho claro para o conhecimento.

Gratidão abre seu coração e o permite adquirir um vislumbre daquele estado de consciência que o conecta para tudo aquilo que É, um estado de consciência que é felicidade, união com sua alma, conexão com a sua fonte, a Presença AYAM..

A prática diária da gratidão o alojará a níveis mais altos de consciência do Divino ao redor da sua vida e de todos os que estão presentes nela diariamente.

Até mesmo aqueles que chamaram às experiências negativas recebem freqüentemente com a gratidão, no momento ou no retrospecto, que como você começa a sofrer, a ação do espírito de Deus, como o guia de amor em sua jornada.

A prática da gratidão não é o hábito de agradecimento, por ser considerado como boa educação, mas sim como reconhecimento às coisas que trouxeram alegria para você e serviram a você ampliando sua consciência, seu crescimento pessoal e espiritual e trazendo mais claridade á sua vida. Quando você está em um estado de gratidão por algo que foi recebido, você abre seu coração o que lhe permite receber mais do mesmo.

 
Imagine isto, você dá um presente delicioso para um amigo. O presente é inesperado e ele fica absolutamente encantado com o que você lhe deu. A face dele se ilumina com pura alegria e deleite.

Como você se sente como o doador ?

Quer fazer mais, até mesmo dar mais? Mesmo que você não receba a gratidão dele, o seu próprio coração se expande com alegria e se abre.

O Universo faz exatamente o mesmo.

Muitos de vocês fazem suas visualizações e acreditam que vocês criam sua própria realidade. Porém, se você se faz dependente da circunstância da felicidade, levará mais tempo para ter o que você quer, para criar a alegria, amor e felicidade que você busca.

Você está morando em um Universo de ressonância .

Se você deseja ter mais alegria em sua vida, se concentre diariamente no que lhe dá alegria. Isto não significa que você precisa ignorar essas coisas que o fazem infeliz, mas por reconhecer os aspectos de sua vida que lhe dão alegria, você começará a aumentar a quantidade de alegria em sua vida.
 
O Universo opera de acordo com a Lei do Aumento .

Esta lei assegura que tudo aquilo no que você se concentra, aumentará automaticamente em sua vida.

Então, que você se concentre em aumentos porque atrai mais do mesmo a você.

Se você se concentra em falta, então a falta vai se manifestar, em mais escassez e mais experiência das coisas que lhe dão estes sentimentos.

A Lei de trabalhos de Aumento bem como as energias de coração estão diretamente ligadas ao que a gratidão produz.




Imagine que você é o amigo precioso de sua Presença AYAM e que ELA está lhe dando o presente. Quando você fica encantado e expressa sua alegria das profundidades do seu coração, o Universo dará a você mais. Esta é a lei de aumento.

Uma vez que você recebeu, você pode então se mobilizar para dar.

Verdadeiro dar é de um coração aberto. Um coração que é, aberto a receber, como também a dar.

Para que a Lei de Aumento opere completamente, seu coração vai precisar estar suficientemente aberto e permitir um canal claro com dois fluxos, interno e externo. Se você está impossibilitado de receber, e se julga desmerecido do amor de Deus, aquilo que você dá escoará e começará com o passar do tempo inevitavelmente a diminuir no valor do dar aos outros. Isto acontece porque você estará dando o seu em energias em vez de permitir ao espírito de Deus, a Presença AYAM, ou o Amor do Universo ser encanado por você.
Muitos de vocês têm dificuldades em receber porque vocês aprenderam em uma idade muito jovem à fecharem seus corações, a doar.

Para poder receber, seu coração precisa estar aberto e dando boas-vindas.

Muitos de vocês se põem muito confusos quando se vem pedindo "presentes à Deus". Você teme que seja egocêntrico ou simplesmente que não é permitido. Porém estes são só medos.

Por que iria um Deus de amor, o doador da vida negar essas coisas que lhe dão alegria?

Muitos de você que estão no caminho espiritual possuem convicções que é de algum modo mais nobre, ou espiritual sofrer, ou que é egoísta ter o que você quer.

Você pode sentir que não é espiritual pedir ao Universo uma coisa material como uma casa nova, trabalho, carro, ou computador. Porém, um pedido para algo material que vem do coração é um pedido para crescimento. Uma casa nova poderia representar um bem precioso e criar paz em seus ambientes, ao mudar para uma casa maior com um jardim. Um novo computador poderia ser seu desejo para se expressar criatividade por escrever.

Pedidos todos sinceros que servem para o seu crescimento espiritual.

Como almas, vocês não escolheram morar nos mundos para terem negados os seus pedidos.

Freqüentemente, quando coisas não vêm a você, pode perceber que você realmente não as quis em primeiro lugar e que a coisa não teria servido ao seu bem mais alto.

Freqüentemente, se algo não se manifesta é porque o Universo está apontando o melhor na direção de algo.

Com muito amor,

EU SOU, PÓRTIA.
Fonte:fraternidadebranca-luzdanovaera.blogspot.com

O Monte Olimpo


A mais alta montanha da Grécia com 2.919 metros de altitude da base até o topo, considerada uma das mais altas montanhas da Europa, localiza-se próximo ao mar Egeu, na Tessália.
Na mitologia Grega, o topo do monte Olimpo é a morada dos Doze Deuses do Olimpo, que são os principais deuses da mitologia grega. Os gregos imaginavam que no topo do Olimpo existia um grande palácio de cristais qual os deuses habitavam. Sabe-se também que segundo a mitologia grega, após a libertação dos 12 titãs por Cronos, eles fizeram das montanhas, inclusive do monte Olimpo, seus tronos, devido ao seu tamanho.
A primeira escalada registrada até o topo do monte Olimpo ocorreu em 1862 por Heinrich Barth.


 

Os deuses do Olimpo, que moravam em um imenso palácio de cristais, construído no topo do monte Olimpo, alimentavam-se de ambrósia, e bebiam néctar, ambrósia era um doce com divino sabor, era poderoso ao ponto de que se um mortal o comesse, ganharia a imortalidade, este doce ganhou o apelido de "manjar dos deuses", expressão que utilizamos ainda hoje no nosso dia-a-dia. Ambrósia e nectar eram alimentos extritamente divinos, proibidos aos mortais.

 


Zeus, Hera, Poseidon, Atena, Ares, Deméter, Apolo, Ártemis, Hefesto, Afrodite, Hermes e Dioniso, são os 12 deuses habitantes o Olimpo. Além dos 12, existia mais um deus que se juntava aos Olimpicos, Hades, o deus do mundo inferior ou dos mortos, que asssim como Zeus, Posseidon, Héstia, Deméter e Hera, foi um dos filhos de Cronoss e Raia. Como Hades não habitava regularmente o Olimpo, não teve seu trono no palácio do Olimpo como os outros deuses. 
Fonte:jdmitologico.blogspot.com

Os Corais


CORAIS DO BRASIL

Eles existem há aproximadamente 250 milhões de anos. Já resistiram a vários abalos ambientais, como maremotos e atividades vulcânicas. Atualmente, tentam sobreviver à interferência do homem na natureza, que representa hoje uma grande ameaça. Mais conhecidos como corais, esses animais marinhos são carnívoros e vivem fixos no fundo do mar.
Após identificarem 15 espécies de corais recifais, até então pouco estudadas, os pesquisadores do Departamento de Invertebrados do Museu Nacional/UFRJ, Clovis Barreira e Castro e Débora de Oliveira Pires, se sentiram estimulados a desenvolver um projeto para compreender como os corais se distribuem no espaço, como se associam e se reproduzem, visando especialmente sua conservação.

Colunas de cogumelo

Os corais recifais são encontrados em dois mil e quatrocentos quilômetros de extensão da costa brasileira. "A fauna de corais do Brasil, apesar de pouco diversa, se comparada a outras regiões do mundo, apresenta espécies raras que só existem aqui. Há formações recifais únicas no mundo, como os ‘chapeirões’, que são colunas em forma de cogumelo", explica Débora Pires.




Reprodução de corais: primeiros dados

Segundo os pesquisadores, a escassez de informação sobre a vida dos corais, aliada a atividades na costa brasileira, como o turismo, a exploração de petróleo e a contaminação da água por substâncias tóxicas, contribuem para a degeneração desses animais marinhos. "Estamos gerando os primeiros dados científicos sobre a reprodução de corais de todo Atlântico Sul. Aqui no Brasil, nunca tinha sido feito nada parecido", revela Clovis Castro.
O local escolhido para a realização deste levantamento foi o complexo recifal de Abrolhos, no Sul da Bahia. Segundo os pesquisadores, além da variedade de espécies encontradas no lugar, a abundância facilita o recolhimento de amostras para estudo, sem causar impactos ambientais. "Além do complexo recifal de Abrolhos abrigar a maior biodiversidade marinha do Brasil, um estudo como este necessita da coleta de muitas espécies que são abundantes na região. Caso esta pesquisa fosse realizada no Rio de Janeiro, por exemplo, o impacto ambiental seria muito maior", explica Clovis Castro.
Mas este é apenas o primeiro passo. O objetivo dos pesquisadores é montar, futuramente, a partir deste conjunto de informações, um sistema de recuperação de recifes de corais. "A idéia é utilizar o banco de dados como suporte para semear recifes e recuperar outras comunidades de corais brasileiras, como a de Arraial do Cabo e de Búzios, por exemplo", diz otimista a doutora Débora Pires.

Corais

O termo coral é usado para designar animais marinhos do grupo dos cnidários, que possuem esqueleto calcário ou córneo. O hábito de viver fixo no fundo do mar fez com que os corais fossem durante muito tempo considerados plantas. Atualmente, sabemos que eles possuem diversas características típicas do reino animal, incluindo a organização do sistema nervoso e muscular, características celulares, metabolismo respiratório e alimentação.
Os cnidários são um grupo de organismos que incluem, entre outros, as águas-vivas, medusas, anêmonas-do-mar, octocorais, corais-pétreos e corais-de-fogo. Apresentam corpo cilíndrico e cavidade gástrica com a estrutura de um saco aberto em uma extremidade (boca) e fechado na outra (ausência de ânus).



Como vivem

O fato de permanecerem a maior parte do seu ciclo de vida fixos no substrato, levou os corais a desenvolverem um modo de vida particular, com diversas funções adaptadas a este hábito sedentário. Os corais apresentam basicamente duas formas de reprodução: assexuada, sem a participação de gametas (células sexuais) e sexuada, com a presença de gametas. Na reprodução sexuada, os corais desenvolvem sistemas de fecundação que permitem aos gametas se encontrarem. Já a reprodução assexuada, identificada nos hidrocorais, ocorre por brotamento.

Recifes de coral

Os recifes de coral são formações criadas pela ação de comunidades de diversos organismos, como as algas calcárias e corais, entre outros organismos. Os recifes de corais são os ambientes mais ricos e produtivos do planeta, tão importantes para o ecossistema marinho como as florestas são para a vida na terra. Já está comprovada sua importância para a humanidade: eles protegem a costa brasileira da ação inesperada das ondas, abrigam e protegem grande número de organismos que são capturados e consumidos pelo homem, fazendo o papel de criadouro desses organismos. Além disso, servem como fonte de matéria-prima para pesquisas farmacológicas. Já se tem exemplos de substâncias que foram extraídas e transformadas em medicamentos para abaixar a pressão arterial, antibióticos, antitumorais, entre outros.
Fonte: www.faperj.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...